domingo, 3 de julho de 2016

Amanhã

Amanhã
 
 
Não tenho medo de acordar e descobrir,
que tu partiste por achar tão absurdo,
esse amor que pulsa em nós e nos consome.
 
 
Irei seguir com esse amor a me exaurir,
levando, em mim, a tua imagem tão querida,
tatuada em minha derme, em minha alma.
 
 
Amar-te-ei no exílio da saudade.
 
 
E na jusante das auroras, madrugadas.
 
 
Edith Lobato - 08/07/13

6 comentários:

  1. O seu poema diz bem da força do amor, que não conhece obstáculos. Parabéns.
    Abraço, Edith.

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema,Edith!


    Vim deixar um beijo, no dia em que encerro o ano nos meus blogs,mais cedo pois receberemos nosso filho de longe, desejando tudo de bom! Boas festas e até janeiro!
    Obrigadão pelo carinho!!  chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Chica. Felicidades e boas festas!
      Bela tarde.

      Excluir
  3. Parabéns poetisa. Lindo poema amei. Bjs

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita, leitura e comentário. É um prazer tê-lo em Sons do Coração. (Edith Lobato)